Acompanhe o TPBR nas redes sociais

A Caixa em Nova York serve como meio temporário para seres que deixam, ou que estão ligadas com o Black Lodge (ou não). Uma criatura  aparece, quebrando a caixa, matando Sam e Tracey no primeiro episódio. No segundo episódio,  vemos que “good”  Cooper entrou na caixa alguns minutos antes da criatura.

todd

Possivelmente o bilionário mencionado por Sam, seja o “evil” Cooper, que tem forte interesse em ficar fora do Lodge. É provável que ele esteja conduzindo essa pesquisa por meio do Duncan Todd.

Ele financia a caixa e contrata pessoas para assisti-lo sabendo muito bem o que vai acontecer com você. Quando seu (presumivelmente) assistente lhe pergunta por quê ele (Evil Cooper) o deixa fazer isso com ele, ele diz para ele não ter alguém como ele (Evil Cooper) em sua vida.

Parece que de alguma forma, é sabido sobre o tempo em que “good” Cooper devia ser devolvido e o “evil” Cooper voltaria para o Black Lodge. Também pode ser conhecido “onde” que ia acontecer. Ou, talvez, ele deveria apenas abrir as cortinas para onde o Evil Cooper estava dirigindo e trocar facilmente, mas ele é enviado para o prédio.

“Evil” Coop, monta a caixa de vidro para prendê-lo no lugar onde ele estava indo para retornar, fora deste edifício em Nova York. A máquina de alguma forma o aprisiona e o envia para a caixa no espaço (que também é uma caixa). O visual dele flutuando e depois sendo pego em quadrados cada vez menores, juntamente com os sons de portas de prisão batendo, indicando  que ele está sendo preso.

The Mauve Zone

TwinPeaks3-3

O termo foi tirado escrita de Kenneth Grant. Grant foi a primeira pessoa a associar o ocultismo ocidental com os fenômenos de abdução alienígena e o  primeiro a realmente enfatizar o papel de Jack Parsons na história do ocultismo. Ambos os temas desempenham um papel importante no livro de Mark Frost (História Secreta de Twin Peaks).

Grant descreve a “The Mauve Zone” como uma espécie de mundo auto-contido na própria borda da realidade entre o que podemos experimentar (como seres humanos) e o que só podemos conceber como não-existência.

Grant acreditava que a manipulação mágica de nossa realidade poderia ser feita com a ajuda de seres alienígenas na The Mauve Zone, que poderia ser visitada em um tipo particular de sono (como um coma), que havia seres lá que poderíamos considerar monstros e que enviou mensagens para a nossa realidade via fenômeno como OVNIs (ou aparições como o Gigante).

Grant também creditou The Mauve Zone como sendo a fonte de coincidências significativas, sincronicidade e “acidentes felizes” em nosso mundo (como aqueles aproveitados pelas técnicas de detecção mais intuitivas de Cooper).”

 

 

A Criatura

A mulher sem olhos avisa “good” Cooper para que ele não fale, aparentemente para que ele não atraia a atenção da “mãe”, dito depois por uma segunda mulher (interpretada pela atriz Phoebe Augustine, Ronette Pulaski anteriormente e agora creditada como “American Girl”) que avisa também a “good” Cooper para não falar pois chamará a atenção da sua “mãe”. “Good” Cooper troca de lugar com o Cooper/Dougie. A sala de máquinas está ligada com a caixa de vidro, já que Cooper apareceu lá primeiro. Talvez a “mãe” esteja tentando romper a realidade e matar o “good” Cooper.

A máquina em torno da caixa de vidro parece ter sido criada originalmente para ser uma armadilha para Cooper  ou para prendê-lo na sala de máquinas. Se não fosse por essa armadilha ele voltaria para o mundo real através da caixa de vidro, mas foi enviado de volta. O objetivo poderia ter sido trazer “good” Cooper antes da Mãe, que teria matado ele, mas suas “filhas” impediram para salvá-lo.

O que se sabe também é que a caracterização e inspiração vem das pinturas de David Lynch e seu gosto pelo pintor Francis Bacon.

Quadros da exibição "The air is on fire"

                                             Quadros da exibição “The air is on fire” , David Lynch

Francis Bacon, Portrait of a Man ,1953

Francis Bacon, Portrait of a Man ,1953

Comentar via Facebook

Comentário(s)

COMENTÁRIOS

Não existem comentários

DEIXE SEU COMENTÁRIO