Acompanhe o TPBR nas redes sociais

O SÉTIMO CÉU DE SONNY JIM

Próximo a reta final da temporada e quando finalmente abandonamos a ansiedade de uma reviravolta no horizonte – aceitando que, talvez, o nosso Agente Cooper não volte nem tão cedo – que conseguimos ter uma visão ampla do quadro bizarro de Dougie Jones. O estranho universo do Dale Semi-Vegetal abre o episódio com uma trilha inesperada – tão quanto a da apresentação do Ike, the Spike -, a euforia inacreditável dos irmãos Mitchum, e mais personagens alheios às poucas palavras de Dougie. 

source (1)“Isn’t it too dreamy?”

Em meio a um ambiente tão próprio do Retorno, toda a situação de Anthony Sinclair (Tom Sizemore), acaba por se relacionar muito a um personagem, de curta aparição da segunda temporada: Ernie Niles. Sejam covardes ou com um enorme senso de autopreservação, os dois compartilham um modelo cômico clássico, surpreendentemente reutilizado na série. Assim como o provavelmente ex-padrasto de Norma serviu aos agentes do FBI na emboscada – e consequente morte – de Jean Renault (Michael Parks, falecido em Maio deste ano), Anthony é a chave para o flagrante de Duncan Todd e sua rede de policiais corruptos, consequentemente revelando o envolvimento do empresário com o Mr. C.

O INFERNO DE RAY

Mencionando o diabo, depois de exatamente três episódios ausente, ele reaparece, para a infelicidade de Ray, no centro de uma organização criminosa obscura. Todo o sistema dali dentro, aliado a perspectiva da apresentação de um novo ambiente, causam um súbito estranhamento. Descobrimos que, na verdade, o Monroe é subordinado a Ranzo (Derek Mears), o chefe da Fazenda – quase Clube da Luta da queda de braço -, e que, através de um desafio, sua vida seria completamente entregue ao Mr. C.

Reparando bem, não é que o Richard tem uma leve semelhança com o Ray? Estou teorizando demais? Ou são só as bochechas mesmo?

Após uma sequência quase hipnótica da disputa entre os dois, o Bad Cooper provou mais uma vez suas habilidades sobrenaturais, ganhado – e destruindo a cabeça do infeliz – ao final. Antes de morrer, Ray é interrogado, revelando informações importantes para o continuar da série: aparentemente, a tentativa de homicídio contra o Mr. C, na oitava parte, não se realizou pela falta de um item crucial.

“Com este anel, caso-te” – O Braço, Twin Peaks: Fire Walk With Me

Twin Peaks: The Missing Peaces

O Anel com a insígnia dos Lodges – elemento cuja primeira aparição se realizou em Fire Walk With Me –, serve aqui, aparentemente, como uma forma de transporte para o Black Lodge, no pós-morte. Uma das várias interpretações para o seu uso, é que ele simbolizava uma submissão/entrega da alma do indivíduo às criaturas do Lodge, firmando um “compromisso”. A última vez que foi visto – antes de ser pego, de alguma forma, por Phillip e em seguida, por Ray -, ele estava sendo usado pela réplica “manufaturada” de Dale Cooper, o Dougie Jones original, antes dele desaparecer e o objeto ser, novamente, guardado no altar. Antes do Retorno, vemos ele ser assaltado, por uma enfermeira, dos pertences de Annie Blackburn, quando esta estava em desacordada no hospital de Twin Peaks, numa das cenas deletadas do filme. Anteriormente, tanto Laura Palmer quando Teresa Banks utilizaram o anel, durante ou em períodos antes da sua morte, respectivamente. Há descrições, na História Secreta de Twin Peaks, do objeto e o fascínio causado por ele, que marcam desde o século XIX.

“QUE HISTÓRIA É ESSA, CHARLIE?!”

Ao passo em que nos aproximamos do fim do revival, cada vez mais pessoas se esforçam para teorizar e encontrar indícios de uma reviravolta ou de uma subversão da realidade, como de praxe numa obra do Lynch. Para esses, o episódio desta semana pode servir como um prato cheio, com tanto o discurso de Audrey, quanto mais um indício de uma provável falta de linearidade no tempo surgiram. Bobby, ao se juntar à mesa, com Norma e Ed, menciona ter encontrado algumas coisas envolvendo do seu pai. A última vez em que vimos uma descoberta do tipo, foi há 4 partes atrás e, desde então, tivemos a indicação de que, no mínimo, se passaram dois dias. Assim, ou a visita de Briggs, Hawk e Truman ao Palácio do Jack Rabbit nos foi omitida, ou então…

Eu sinto como se estivesse em outro lugar… e fosse outra pessoaNão tenho certeza de quem sou, mas eu não sou eu”. Esse é, realmente, o bê-a-bá do existencialismo e, à primeira vista, podemos supor que seja simplesmente uma crise causada pela idade, pelo o desaparecimento do Billy, ou então, algum reflexo de um trauma, causado pelo provável longo período em coma. Mas, pelo histórico do diretor – em Lost Highway, o protagonista simplesmente se transforma em outra pessoa; a trama de Mulholland Dr. e  de outras produções com situações semelhantes -, o pouco que sabemos sobre Audrey nesses 25 anos em que esteve ausente, pode tomar rumos inesperados.

Pelo menos, aparentemente, o Billy ainda não morreu – seja lá quem for ele.

CLIENTES FAMINTOS

O encontro entre Norma e Walter Lawford (Grant Goodeve), seu infelizmente novo interesse amoroso, proveu um dos paralelos mais explícitos da temporada. É obvia a falsa pretensão do empresário com o seu interesse na “essência” do Double R, e a comparação com a própria trajetória dos criadores da série na indústria, seja televisa ou cinematográfica, é tão evidente quanto. Tanto Mark Frost, quanto Lynch tiveram a qualidade de suas obras – no caso de Norma, tortas – notoriamente comprometidas pela interferência de executivos na produção – a  exemplo de Quarteto Fantástico e o Surfista Prateado (2006), co-escrito por Frost e Dune (1984), dirigido por Lynch, ambas produções relativamente infames e de grandes produtoras. Só nos resta esperar que ela mantenha o bom senso e não torne o medo dos outros o dela. 

No meio disso tudo, o melhor encontro entre criador e fã que você respeita.

Por fim, o episódio termina com um imenso contraste, entre o Retorno e a série original – mais especificamente, o seu lado mais novelesco. Cai o peso, aqui, da realidade na senilidade, da desilusão do romantismo na juventude e a sua não sustentação. Seja com Audrey e Cooper – ou Jack Wheeler (Billy Zane, coincidentemente o primeiro nome do atual amante dela), com quem ela se envolveu no fim da segunda temporada -, James e Donna a sumida e, principalmente, Norma e Big Ed, nenhum durou durante esses vinte e cinco anos. Nem mesmo o núcleo mais jovem consegue passar pela falta de filtro: Ao contrário do modo como era retratado a relação de seus pais, assistimos Becky sofrer pela ausência de Steven, sem o sútil tom que fazia o engajamento de Shelly e Bobby valer a pena – ainda hoje, como efeito disso, não conseguimos não torcer pelos dois.

sourcePara sempre, tocando repetidamente na sua cabeça. 

 

Comentar via Facebook

Comentário(s)

COMENTÁRIOS

Não existem comentários

DEIXE SEU COMENTÁRIO