Acompanhe o TPBR nas redes sociais

A natureza do anão é declarada (e demonstrada) no filme FWWM: ele representa o braço perdido de Philip Gerard,
que está em sua forma demoníaca mais conhecida como Mike. O braço é mencionado pela primeira vez pelo próprio Gerard:

Nós vivemos entre as pessoas. Eu não sei, eu não sei, eu não sei, mas quando eu vi o rosto de Deus, mudei. Eu arranquei todo o braço.

Gerard afirma que ele já foi habitado por um espírito chamado Mike. Ele e Bob mataram juntos até que Mike “viu o rosto de Deus” e se arrependeu.  A experiência o purificou e ele literalmente extirpou o mal de seu corpo, removendo seu braço esquerdo. Este braço supostamente continha uma tatuagem “Fire Walk with Me”. Gerard permaneceu perto de seu antigo espírito habitante, Mike, no entanto, de vez em quando regressando a seu estado possuído.  Mas destruir o mal em seu corpo  não foi inteiramente bem sucedido. Como o anão declara na FWWM durante o sonho de Laura:

“Você sabe quem eu sou? Eu sou o braço. E eu faço esse som: [som de índio]”

O anão representa o mal que é deixado de Mike. O fato de que o anão é de fato o ex-braço de Mike é novamente demonstrado durante a cena final em FWWM, onde vemos Gerard (Mike) e o anão lado a lado na Sala Vermelha. Quando “Mike” recupera o Garmonbozia roubado de Bob, o anão toca o ombro de Gerard enquanto eles falam em uníssono.

“Os pacientes que tiveram um braço ou uma perna amputada geralmente relatam sentir sensações e dor no local onde o membro amputado costumava ser”  Isto é referido como “dor fantasma”. Em Twin Peaks, David Lynch leva este conceito a fundo, transformando o membro fantasma de Mike em um personagem, o anão.

SENHOR DO LODGE

A julgar pelas aparições do anão tanto na série como em FWMM, deve-se supor que ele é de alguma forma o Senhor da Black Lodge. Suas roupas correspondem ao  design interior da Sala Vermelha e ele é geralmente o primeiro personagem a ser encontrado quando alguém entra no Lodge.  A hierarquia sugerida por Philip Jeffries entre os espíritos no Black Lodge é formado em primeiro plano pelo Anão e BOB, enquanto outros espíritos (talvez almas
escravizadas por Mike e BOB) em segundo plano. Ambos os grupos são divididos pelo Jumping Man. Com exceção de breves visões, o anão nunca é visto fora do Lodge,  indicando uma origem inteiramente sobrenatural.

O ANEL VERDE

Os eventos em FWWM sugerem fortemente que o anão é o proprietário (original) e talvez o criador do anel misterioso da caverna da coruja, sabido também como o anel  verde. O anel está ligado a várias mortes e desaparecimentos no universo TP: Teresa Banks, Chester Desmond, Philip Jeffries, Laura Palmer e, em menor grau,
Annie Blackburn.

O anel verde é uma marca de morte, um contrato entre BOB eo MFAP para matar e colher Garmonbozia. Este acordo é feito durante um encontro descrito por  Philip Jeffries em FWWM. Presumivelmente, depois que o Mike deixou de existir, o anão não era mais capaz de prover sua próprio Garmonbozia, era necessário
estabelecer novas regras. Depois de Pierre Tremond dizer a BOB “fell a victim”, o anão afirma “with this ring, I thee wed”. Assim, o anel não se liga apenas BOB e ao anão, mas também seu portador e para ambos os espíritos Lodge. Aqueles que usam o anel deve ser mortos por BOB e a Garmonbozia resultante entregue ao anão.  Os acontecimentos da FWWM apoiam largamente esta teoria, assim como duas outras idéias:

• Que o anão usa os Tremonds para mover o anel verde para o mundo real.
• Que o portador do anel verde brevemente experimenta um paralisação do braço esquerdo / direito

O primeiro dono do anel é Teresa Banks. Ela obteve anel dos Tremonds cerca de três dias antes de sua morte. Não só os Tremonds moravam em um Trailer, no trailer park em Fat Trout (sob o nome de Chalfont), Pierre Tremond aparece brevemente fora do Blue Diamond Motel durante um flashback no final do filme. Segundo Irene, o braço esquerdo de Teresa ficou completamente paralisado três dias antes de sua morte. A fotografia em seu trailer confirma que ela usava o anel em  sua mão esquerda.

Teresa Banks.

Teresa Banks.

Pouco tempo depois, Teresa é assassinada por Leland / BOB. O agente Desmond e o Agente Stanley são chamados para investigar e rapidamente entram na trilha do anel  verde perdido. Este elemento não-resolvido continua a incomodar Desmond e provoca um retorno final ao trailer park  Fat Trout. Ao investigar, sua atenção é  atraída para um trailer próximo (no roteiro, uma mão acena para ele por trás da janela), sob a qual ele encontra o anel verde em um montículo de terra (como o colar de Laura). Quando Desmond toca o anel, ele misteriosamente desaparece. Mais tarde, Cooper descobre que o trailer pertenceu a “uma mulher idosa e “seu neto” os Chalfonts.

Embora BOB tenha matado Teresa, ele não respeitou inteiramente o vínculo com o anão. Aparentemente ele roubou a Garmonbozia, resultante de sua morte, como indicado pela cena de parada de trânsito mais tarde no filme. Mike (falando como se fosse Philip Gerard) confronta BOB/ Leland pelo seu “crime” e lembra-o de seu juramento segurando o anel verde (em seu dedo mindinho).

O terceiro proprietário do anel (sem contar com Desmond, que seria o segundo) é Laura Palmer. Durante a sequência de sonhos de Laura na FWWM, ela é rapidamente transportada para a Sala Vermelha pelos Tremonds. Aqui, ela encontra o anão e o Agente Cooper. Na cena, vemos um pedestal ornamentado com o anel verde  sobre ele. O anão oferece o anel a Laura mas Cooper adverte-a para não aceitar. Por um breve momento, Laura parece estar acordando, mas de fato ainda está sonhando.

Mão esquerda de Laura Palmer.

Seu braço  esquerdo fica paralisado e de repente ela encontra o anel verde novamente em sua mão esquerda. Quando ela finalmente acorda, o anel desapareceu e seu braço esquerdo volta ao normal.  Embora ela inicialmente tenha recusado o anel, ela acaba causando a sua morte mais tarde. Na sequência do trem, BOB tenta transferir o espírito de Leland para  Laura. Mike / Gerard intervém e joga o anel verde dentro do carro do trem. Em vez de enfrentar o inferno com BOB, Laura escolhe suicidar-se tomando o anel verde. Como mencionado, o anel verde é marca da morte. BOB é agora forçado a matar Laura, como indicado por suas palavras “não me faça fazer isso”. Durante o assassinato,  o anão aparece em flashes breves, rindo histericamente. Após sua morte, BOB retorna à Sala Vermelha e entrega o Garmonbozia do assassinato de Laura, agora pertencendo a Mike.

 

(Missing Pieces)

Fim da história? Não exatamente. Há um quarto proprietário do anel verde: Annie Blackburn. No script original da FWWM, uma conversa acontece entre o anão e Cooper no pedestal ornamentado, semelhante ao do sonho de Laura:

 

Anão: “É futuro ou é passado?”
Cooper: “Onde está o anel verde?”
Anão: “Alguém o tem agora.”
Cooper: “Isso indica que é  futuro.”

 

A cena seguinte mostra Annie sendo levada para o hospital após sua visita ao Lodge. Ela está usando o anel verde. Para isso, podemos acrescentar alguns  detalhes interessantes do episódio final da 2ª temporada. Quando Cooper finalmente enfrenta Windom Earle eles se encontram de pé na sala com o pedestal ornamentado. Agora, se voltarmos para a parte onde Annie brevemente aparece entre Windom e Cooper, podemos notar três coisas importantes:

twin-peaks-annie

• O anel verde está longe de ser encontrado do pedestal
• Annie está apoiando seu braço direito com a mão esquerda
• Sua mão direita está obscurecida pela visão

Durante sua breve visita ao Lodge, o anão transferiu o anel verde para Annie, lembre-se que o “Cooper possuído” continua repetindo “Como está Annie?”. De acordo com a teoria do anel verde, Annie está agora marcada pela morte por conta do anel verde. Esse seria um final mais cruel ainda para o final da segunda temporada… mas espere … a cena do hospital no script de FWWM termina em uma nota irônica: o anel verde é roubado por uma enfermeira, indicando que Annie pode ela pode ser salva da morte depois de tudo (ela ainda pode ser atormentado por BOB por conta própria, claro.)

 

O MÁGICO

Dentro do Lodge, o anão realmente possui poderes “mágicos”, mais significativamente a capacidade de “dobrar” o tempo, que ele aparentemente consegue esfregando as mãos. Ele demonstra seus poderes ao agente Cooper no episódio final, congelando, acelerando e retardando o café de Cooper. No roteiro original da FWWM, o anão pergunta a Cooper: “É futuro ou  passado?”, estabelecendo a natureza extra-dimensional do Lodge.

Além de seu controle sobre o tempo, o anão pode evocar itens e até mesmo pessoas (por exemplo, Jimmy Scott hahaha) para dentro da Sala Vermelha. Sua principal sua preocupação, no entanto, é o consumo de dor e tristeza, ou Garmonbozia, que ele transmuta por  creme de milho (possivelmente através da auxilio da mesa de fórmica).

CONEXÕES MITOLÓGICAS E PLANETÁRIAS

Twin Peaks apresenta alguns temas planetários interessantes. Mais importante ainda, o Black Lodge pode ser inserido no alinhamento de Saturno e Júpiter (que ocorre a cada 25 anos). Na mitologia, essas duas divindades são tradicionalmente consideradas como opostas uma à outra. Talvez se pudesse identificar com Mike, o outro com BOB. Saturno é considerado o deus da agricultura, que se encaixa com a colheita de Garmonbozia do “mundo terreno”. Na mitologia grega, Saturno também é identificado com Cronos, o deus do tempo. A conexão ao anão aqui é explícita, pois ele pode de fato controlar o fluxo de tempo e reside em um reino extra-dimensional onde o tempo não existe. Saturno também é considerado o deus da sabedoria e da ordem, ao contrário do mais temperamental Júpiter (BOB?). Júpiter é identificado com trovões e relâmpagos ou fogo, sugerindo forças incontroláveis. Essas conexões mitológicas estão claramente referenciadas dentro da Sala Vermelha. Há uma estátua de Vênus e uma mesa onde há uma lâmpada na forma do planeta Saturno.

Estátua de Vênus e mesa com uma lâmpada na forma do planeta Saturno.

ANÃO, BOM OU MAU? O CAMINHO DA MÃO ESQUERDA

O FWWM e a série deixam claro que o anão representa o “mal” de Mike. Como BOB, sua principal preocupação é o consumo de dor e tristeza. Podemos nos perguntar, no entanto, em que medida Mike (menos o braço) é realmente purificado e agindo “benevolentemente”. Enquanto ele alega agir contra Bob, isso não é de modo algum igual a ser “bom”.

Por coincidência, o braço perdido de Mike é o braço “esquerdo”. Ao longo da história, muitas culturas consideraram a canhoto com o mal. Consequentemente, a mão esquerda simbolizou frequentemente a rejeição da religião tradicional. O satanismo moderno expandiu-se sobre a tradição hindu associando o “caminho da mão esquerda” à amoralidade.

No Wikipédia:   “Os sistemas de crenças do Caminho da mão esquerda valorizam o avanço e a preservação do eu, a glorificação de metas mais temporais e terrestres  e o poder pessoal do que as realizações espirituais.” Torne-se divindades” por direito próprio.

Nem todas as pessoas aceitam o anão como mau, alguns preferem um alinhamento mais neutro ou até mesmo variável.  Talvez os espíritos da Lodge se preocupem um pouco com o “mundo natural” e, como os deuses gregos, usem os seres humanos apenas como peões para ordernar seus próprios esquemas mesquinhos. Mas se o anão tem que ser interpretado como bom ou mau de um jeito ou de outro, suas ações apoiam em grande parte esta última posição. Como mencionado, ele consome dor e sofrimento, assim como BOB faz, e uma vez matou pessoas
quando ainda habitava Philip Gerard. Com BOB podemos ter certeza de que ele é mau. Ele realmente vive dentro do Black Lodge e alimenta-se de medo. BOB representa uma força mais basal, animalesca, no entanto, enquanto o anão representa um tipo mais calculado, controlado do mal. Observe a expressão em seu rosto quando Laura é assassinada em FWWM. Ele aparece em breves flashes e parece estar em êxtase com o assassinato. Ou é frustração?

ANÃO E BOB

Uma questão interessante sobre o MFAP / Mike é até que ponto ele controla ou não BOB. Como mencionado anteriormente, uma reunião feita no Lodge descrita por Philip Jeffries sugere as relações de poder entre os espíritos da Lodge. Embora o anão e BOB estejam na frente, o anão é claramente responsável. Ele dita as regras relativas ao anel verde, preside a entrada para o Black Lodge e, portanto, controla indiretamente BOB. A morte de Mike foi um grande revés para a hierarquia do Lodge. O anel verde teve que ser introduzido a fim manter a ligação entre BOB e os outros espírito do Lodge, assim como fornecer um fluxo continuo de Garmonbozia. BOB parece ter se soltado, sendo desonesto e roubando a Garmonbozia da morte de Teresa para si mesmo. Durante a cena de parada de trânsito (em FWWM) ele é chamado de volta à ordem por Philip Gerard, que o adverte das consequências quando ele persegue seus planos com Laura (“the thread will be torn Mr. Palmer”). Quando Laura finalmente coloca o anel verde, ele é forçado a matá-la e entregar o Garmonbozia para o anão. Significativamente, nesta cena final, BOB submete-se a Mike, que é o anão e Philip Gerard juntos. É interessante também que BOB é  uma entidade que se alimenta de medo, e ele só teme a Mike.

O ANÃO E O GIGANTE

Na “caverna da coruja” (owl cave), na parte superior esquerda do desenho, sob a montanha, em torno do círculo de árvores, estão desenhados um homem grande e  um homem pequeno, semelhante ao gigante e o anão. Embora o gigante provavelmente habite o Garçom Idoso, seu comentário no episódio 29 “one and the same” poderia ser percebido como um duplo sentido: ele está explicitamente se referindo a si mesmo e ao Garçom, mas talvez implicitamente referindo-se a  si mesmo e ao anão. É sugerido ambos são anfitriões: o anão da Black Lodge e o Gigante da White Logde.

Owl Cave

DELEGADO CLIFF HABITADO POR MIKE?

A teoria de que Mike já habitou o Delgado Cliff pode parecer exagerada no início, mas em FWWM, de fato, contém algumas evidências  interessantes que argumentam em apoio a essa idéia. A conexão mais óbvia entre Mike e Cliff envolvem Laura e Bobby. Depois de Bobby ter disparado Cliff em auto-defesa, Laura de repente faz a declaração bizarra de que ele “matou Mike”. Bobby acha que ela está se referindo a Mike da escola, mas pode ser que ela está realmente falando sobre o espírito Mike.  Isso significaria que Mike/anão estava possuindo o delegado Cliff naquele momento.

O trailer park Fat Trout, em Deer Meadow oferece pistas adicionais. Três pessoas de importância possuem um trailer: Teresa Banks, os Chalfonts / Tremonds, e o delegado Cliff. A presença de Mike é sugerida com uma série de dicas: a linha de energia, o trailer vermelho, o anel verde, e as palavras “let’s rock” no carro do agente Desmond. A linha de energia situa-se aproximadamente entre os três trailers acima  mencionados no trailer park Fat Trout. Ele tem o número seis e é o local onde Desmond ouve o estranho som de índio. Este é o mesmo som que o anão
faz durante sua conversa com Cooper no sonho de Laura. Na verdade, o anão alega que isso é como ele realmente soa. A presença do anel verde também implica a presença de Mike. É Mike que segura o anel  durante o encontro no Lodge, e é Mike que oferece o anel a Laura durante seu sonho. Significativamente, depois que o agente Desmond desaparece, Cooper encontra as palavras “let’s rock” rabiscadas no pára-brisa do carro de Desmond. Estas são as mesmas palavras faladas pelo anão durante o sonho de Cooper.

Tendo estabelecido a conexão de Mike, devemos nos perguntar: como ele é capaz de estar fisicamente presente em no trailer park Fat Trout (talvez matando o agente Desmond), quando já estabelecemos que ele não pode sair dos limites da Sala Vermelha?

Uma conclusão razoavelmente lógica seria que Mike estava realmente habitando o delegado Cliff antes de habitar Philip Gerard, para isso fazer sentindo 1) o comentário de Laura após a morte do delegado Cliff, 2) o fato de que a linha de energia está situada perto do trailer de  Cliff, e 3) o misterioso desaparecimento / morte do agente Desmond. Primeiro, no script, o delegado Cliff viveu em um trailer vermelho (no filme, ele só possui um caminhão vermelho), segundo, as piadas de  Cliff durante seu encontro inicial com o agente Desmond aludem a alguns do diálogo do anão do episódio 29.

Alguns contra argumentos, para  Cliff estar possuído por Mike  1) o comentário de Laura para fazer sentido, desta forma, ela teria que saber quem Mike é para começar, 2) e talvez mais importante, e que Gerard deve ter sido possuído apenas alguns dias antes da morte de Laura (que é quando Cliff morre). Isso significa que o braço de Gerard deveria ter sido amputado em algum lugar entre … uma ligeira implausibilidade.

O ROSTO DE MIKE

The Jumping Man, como o anão, é outra parte de Mike. Ambos usam um terno vermelho brilhante e ambos são vistos rindo e dançando. Se o anão é o “braço” de Mike, então talvez o Jumping Man seja seu “rosto”.

Note que, embora o série  sugira que Mike parece mais ou menos exatamente como Philip Gerard, é realmente uma questão em aberto se ele tem um rosto “verdadeiro” como BOB. Aparentemente, apenas os talentosos e os condenados podem ver o verdadeiro rosto de BOB (Cooper, Laura, Sarah, etc), mas quem pode ver o verdadeiro rosto de Mike? O fato de que Gerard ainda se parece com ele mesmo quando regressa ao seu estado de “Mike”
(segunda temporada, episódio 06, Demons) não é necessariamente evidência de que é assim que Mike realmente parece. Quando Leland finalmente revela-se como BOB dentro de sua cela da prisão, ele ainda se parece com Leland também. Dependendo de quem está assistindo, as pessoas podem ou não podem ver a verdadeira face do espírito.

Uma das cenas finais da FWWM contra argumenta  a teoria de que o Jumping Man é Mike, no entanto, mostrando o anão e Philip Gerard falando em uníssono para BOB. Claramente, se o Jumping Man é realmente o rosto de Mike, então BOB deve vê-lo com o anão, e não Philip Gerard. Esta cena parece sugerir que Mike se parece com Gerard.

Jumpingman

Há sempre música no ar.

 

No final do 2º episódio da segunda temporada, Cooper tem um sonho com o anão, BOB, Mike e também uma mulher que se parece muito com Laura Palmer. Esse sonho é a chave de Cooper para encerrar o caso do assassinato. Ele acabará por levá-lo a encontrar a pessoa que brutalmente assassinou Laura Palmer e mais tarde Maddy Ferguson.  Este artigo estabelece o caminho que Cooper teve em encontrar o assassino por meio deste sonho. Nesta primeira parte da exploração do sonho, vamos observar o que  liderou Cooper até o final da primeira temporada, onde ele pensou Leo Johnson e Jacques Renault teve algo a ver com a morte de Laura.

Antes de começar, Sarah Palmer tem uma visão de BOB no episódio um. Ele é visto por Sarah ajoelhada ao pé da cama de Laura nesta visão. Podemos incorporar isso com a cena em FWWM, quando BOB entra pela janela de Laura e ela percebe (ou melhor, lembra-se) que BOB é seu pai, Leland. Ele se aproxima da cama desta área, ao pé dela e, portanto, tem alguma correlação com a visão de Sarah. A visão de Sarah é a primeira vez que vemos BOB e, assim o  temos nosso primeiro vislumbre no reino sobrenatural de Twin Peaks.

O Sonho de Cooper no final do episódio 2 leva essa visão Sarah simples e breve mais adiante. É dada mais uma indicação minúscula de quem BOB é; Cooper explica a  Harry e Lucy durante almoço no episódio 3, que Mike é o homem com um braço e BOB é o assassino (não os adolescentes Mike e Bobby como sugere Truman).

O sonho começa com um rápido olhar para a localização da conclusão do sonho, a Sala Vermelha. Cooper parece velho, 25 anos mais velho para ser exato. O LMFAP (Little Man From Another Place) está de pé de costas para Cooper e esfrega suas mãos agressivamente. Esta fricção das mãos é sua maneira de explorar fontes de informação que ele irá compartilhar com Cooper uma vez que o sonho retorna a este cenário.

                  Cooper, em seu sonho, 25 anos mais velho na Sala Vermelha.

Em seguida, estão imagens aleatórias de Sarah Palmer correndo pelas escadas na manhã seguinte à morte de Laura, procurando por sua filha para prepará-la para a escola. O que se segue são vislumbres da visão de Sarah de BOB, do lado de fora do vagão de trem, e depois de Laura deitada no necrotério. Essas imagens ajudam Cooper a descobrir que BOB foi o assassino de Laura. Sarah teve uma visão de BOB, mas não é afirmado que ele é o assassino no sonho. BOB é mostrado, o local do assassinato, em seguida, Laura morta. Essas três cenas são como Cooper chegou à conclusão de que BOB era o assassino, além do que Mike logo lhe contaria.  Os vislumbres de Sarah também poderiam sugerir que ao olhar através da casa, ela poderia encontrar a verdadeira identidade de BOB.

Em seguida, no sonho, somos apresentados a Mike. Aprendemos no episódio 13 que Mike é realmente um espírito habitante que toma o controle de Phillip Gerard , e  que deseja  encontrar BOB e parar seus planos malignos, e que costumava ser parceiro dele. Na primeira temporada, quando Cooper encontra Phillip Gerard, ele é apenas um vendedor de sapatos e não descobre sua conexão mais profunda com a morte de Laura. Gerard, quando Mike está no controle, é a melhor testemunha que Cooper poderia ter ao assassinato de Laura.

Mike diz no sonho de Cooper:

“Through the darkness of future past
the magician longs to see
one chants out between two worlds
Fire walk with me.”

Este canto também será recitado quando Cooper interroga Mike / Gerard no episódio 13.

Depois de recitar o poema no sonho, Mike passa a contar um pouco sobre si mesmo:

“Nós vivemos entre as pessoas, acho que você diz loja de conveniência. Vivíamos acima dela. Quero dizer, é como se fosse. Como soa. Eu também fui tocado pelo diabólico. Uma tatuagem no ombro esquerdo, mas quando vi o rosto de Deus, mudei. Eu tirei todo o braço. Meu nome é Mike, o nome dele é BOB.”

Esta informação leva Cooper a procurar o homem de um braço. No episódio 4, Hawk o encontra no Timber Falls Motel, onde o questionam. Eles têm o desenho que Andy desenhou no início do episódio na residência dos Palmer. O esboço é de BOB como descrito por Sarah Palmer de sua visão. Mike diz que nunca viu o homem antes em sua vida, mas ele meio que se parece com alguém. Cooper pergunta se ele fez uma tatuagem, o que, de acordo com o que
Cooper disse a Harry na manhã seguinte ao sonho, deveria ler “Fire walk with me” mas Gerard diz que o braço foi perdido em um acidente de carro.

Depois da aparição de Mike não sonho, vemos BOB. É o mesmo homem da visão de Sarah.

“Mike? Mike, pode me ouvir?
Te pegarei com o meu saco de morte
Você pode pensar que eu enlouqueci
Mas prometo, que matarei de novo.”

O “saco da morte” é referência inicialmente a uma descrição de envolver suas vítimas em plástico. A promessa de matar novamente é cumprida no episódio 14, quando Maddy é assassinado. Perguntando se Mike pode ouvi-lo mostra que BOB tem medo de Mike e não deseja que Mike o encontre. Satisfeito que ele não está perto, ele fala de sobre seu saco da morte e faz sua promessa. Leland / BOB também recita essas linhas após sua confissão aos assassinatos no episódio 16. Esta recitação conecta Leland ao que Cooper viu de BOB em seu sonho. Isso cristaliza na mente de Cooper que Leland é de fato o assassino e confirma que sua confissão  foi correta.

Na primeira temporada, não vemos BOB exceto na visão de Sarah e no sonho de Cooper. Depois que ele mostra Gerard o esboço no episódio 4, Cooper é conduzido em uma busca para encontrar Bob Lydecker, o melhor amigo de Gerard. Mike diz a Cooper e Truman que Bob é um veterinário e está no hospital, em coma. Truman acrescenta que um Lydecker foi assaltado fora de um bar em Low Town. É por isso que Gerard estava no hospital e foi avistado por Hawk; Ele estava lá visitando seu amigo. Mais tarde no episódio, eles vão para o escritório de Lydecker.

A recepcionista diz a Cooper que o homem do esboço não é o Dr. Lydecker.

Cooper tem usado sua intuição, extraindo de partes do sonho para levá-lo na direção certa. Ele se referiu ao sonho como um código, “Quebrar o código, resolver o crime”. Antes de entrar no escritório do veterinário, ele mencionou que Mike disse que ele e BOB viveu acima de uma loja conveniência. Não é mostrado, mas talvez houvesse um apartamento acima do posto de gasolina. Cooper pede a para Andy entrar na loja e comprar-lhe um fio. Ele a traz para Cooper dentro do escritório do veterinário. É Findley’s Fine Twine, a mesma marca de um dos tipos de fio usado para amarrar Laura na noite de sua morte (e, finalmente, a declaração de Laura em seu sonho sobre seus braços dobrando para trás). Naquele momento, Cooper faz a dedução de que o pássaro que atacou
Laura (Albert indicou que as feridas nos ombros de Laura eram mordidas de pássaro) é um cliente do Dr. Lydecker.

Agora, a conclusão do sonho de Cooper, ocorre na Sala Vermelha:

Cooper ainda está observando o anão vigorosamente esfregando as mãos tentando canalizar as informações que supostamente ele tem que compartilhar com Cooper. Cooper percebe que há mais alguém na sala. Ele vê Laura sentada em uma cadeira ao lado, pelo menos ele acha que é ela.

O anão se vira, bate palmas e diz, “Let’s Rock”.

Esta frase será ecoada em FWWM, quando Cooper encontrar isso escrito no pára-brisa do carro do agente Desmond depois que ele desapareceu. Para o Agente Cooper  (em ordem cronológica), esta frase conecta seu sonho com o assassinato de Teresa Banks, e o desaparecimento do agente Desmond, apoiando o fato de que este é o
mesmo assassino.

Quando o anão se senta, Laura toca seu nariz. A razão exata dela tocar o nariz não é clara e pode realmente não ter qualquer propósito. Uma ideia poderia ser uma referência à dependência de cocaína de Laura. Outra razão poderia ser que ela está dizendo Cooper que este sonho está levando-o na  direção certa. O pequeno homem esfrega as mãos novamente, porém mais lentamente desta vez, a mensagem toma sua forma final em sua mente.

“Tenho boas noticias. O chiclete que você gosta vai voltar em grande estilo”, diz o anão.

Esta frase não será dita até episódio 16, quando o garçom, do antigo serviço de quarto, diz  isso a Leland.
Isso acontece depois que Leland diz ao garçom que o chiclete oferecido ao Cooper era a seu “chiclete favorito do mundo” e que ele costumava mastigar quando era criança. Esta conexão será abordada na segunda parte da análise do sonho.

O pequeno homem vê Cooper olhando para a mulher e diz: “Ela é minha prima, mas ela não se parece exatamente com Laura Palmer?”
Cooper responde: “Mas é Laura Palmer. Você é a Laura Palmer?”
A mulher responde: “Sinto como se a conhecesse, mas às vezes meus braços se curvavam para trás”
O anão continua: “Ela é cheia de segredos. De onde viemos os pássaros cantam uma canção bonita e há sempre música no ar”

O anão se levanta da cadeira, a música começa a tocar no fundo e lentamente fica mais alto, e ele começa a dançar. A mulher se levanta e se aproxima de Cooper e olha para ele com flerte, dando-lhe um beijo antes de sussurrar o nome do assassino em seu ouvido. É neste ponto Cooper acorda e chama Harry, dizendo para encontrá-lo para o café da manhã no Great Northern.

 

“Ela é minha prima” É uma referência a Maddy Ferguson que nós  encontramos no próximo episódio quando ela vem para a residência dos Palmer. Ela parece “quase exatamente como Laura Palmer”. Maddy faz vários omentários sobre “conhecer Laura e “sentir-se próxima de Laura” (principalmente o fato de que os duas serem idênticas na aparência, exceto pelo cabelo e óculos). Esta referência também poderia ser interpretada como uma premonição de que Maddy será  a próxima vítima do assassino.

“Às vezes meus braços dobram para trás”. Esta é uma referência a Laura que foi amarrada na noite de sua morte. No episódio 3, antes que Harry e  Cooper saírempara o funeral de Laura, Albert descreve de como Laura foi amarrada duas vezes naquela noite, fazendo com que Cooper citasse em  seu sonho. É suposto por Cooper e / ou Albert que ela foi amarrado na cabana e também no carro do trem. Albert explica como seus braços foram amarrados, levantando seus braços no ar e para trás. Esta é a maneira de como BOB / Leland amarrou-a no carro de trem, a fim de prepará-la para a cerimônia que culminaria em sua posse.

“Ela é cheia de segredos”. Esta é Laura que conhecemos e de como descobrimos seus segredos ao longo da série, especialmente quando seu diário secreto é descoberto.

“De onde viemos os pássaros cantam uma canção bonita e há sempre música no ar”. Esta frase alcança seu ápice quando Cooper, Harry, Hawk & Dr. Hayward chegam à cabana de Jacques Renault no episódio 5.

Vejamos como Cooper chegou à cabana de Jacques usando elementos do sonho:

Como dito anteriormente, no episódio 4 o sonho levou Cooper ao escritório do Dr. Lydecker. Ele então deduziu que o pássaro que atacou Laura era um cliente do veterinário. Ele também chegou à conclusão de que quem quer que o pássaro pertencesse havia comprado fio Findley usado para amarrar Laura a noite de sua morte  ao lado do escritório do veterinário.

No episódio 5, Cooper está olhando algumas fotos no interior de uma porta do armário na cozinha de Jacques. Lá, ele vê uma foto de uma cabana com cortinas vermelhas. Eles encontram outra cópia de Fleshworld (a revista que continha uma foto de Ronette Pulaski, que Cooper e Truman encontraram no cofre de Laura no episódio piloto).
Harry explica que rastrearam o anúncio, e as respostas ao anúncio chegaram a uma caixa postal. Cooper deduz que a caixa do correio pertence a Jacques. Cooper também encontra outro anúncio com a mesma caixa postal, ele diz que é Laura por causa das cortinas vermelhas e mostra a Hawk e Harry a foto da cabana.

Em seu caminho para a cabana de Jacques, eles se deparam com outra cabana que acaba por pertencer à Log Lady. Ela os convida para o chá e biscoitos. Agora, se Cooper não tivesse feito a conexão entre as cortinas vermelhas e a cabana de Jacques, quem sabe se ou quando ele teria tido uma conversa com a Log Lady e não teria descoberto as informações “significativas” sobre Laura. No episódio 1, quando Cooper a conhece, ela disse que seu tronco viu algo naquela noite. Cooper não teria chegado a esse ponto se não fosse pelas cortinas vermelhas da sala de espera, representadas em seu sonho. A Log Lady traduz para seu tronco, e diz a eles que dois homens e duas mulheres passaram por sua cabana. Mais tarde, outro homem passou e, em seguida, houve gritos a distância sobre a serra.
A descrição que ela dá leva Cooper a acreditar que alguém trouxe as meninas da cabana até o carro do trem.

Aproximando-se da cabana de Jacques, eles ouvem “música no ar”. Dentro da cabana, eles encontram Waldo, o pássaro da espécie mynah. Eles também encontram traços de  sangue, o chip de poker com a mordida e um filme de uma câmera. Com essa evidência, Cooper se determina a  encontrar Leo e Jacques. Nos episódios 6 e 7, Cooper vai disfarçado com Big Ed para One-Eyed Jack’s, onde Jacques está negociando blackjack no cassino.

                                                Cooper e Big Ed “disfarçados” no One-Eyed Jack’s.

Eles atraem Jacques  pela  fronteira e ele é preso por Harry e Andy. Infelizmente, Jacques é assassinado por Leland Palmer mais tarde naquela noite em cuidados  médicos intensivos. Assim, Jacques só é capaz de dizer a Cooper e Truman que Laura falou com Ronette sobre Fleshworld e acrescenta, as meninas tinham ido  até a cabana antes, e, finalmente, que não sabe nada sobre o trem, só que desmaiou e que quando acordou, Leo  e seu carro, e as meninas tinham ido embora.

No momento em que o Agente Cooper é baleado no final da temporada, ele sente que Jacques não teve nada a ver com a morte de Laura e que Leo é  o homem que ele quer prender pelo crime. Isso muda drasticamente no primeiro episódio da segunda temporada, onde seu sonho assume um novo significado. Este sonho é a chave para Cooper descobrir o assassino das três mulheres: Teresa Banks, Laura Palmer e Maddy Ferguson. Sem seguir exatamente o código, Cooper pode ter perdido algumas das informações mais importantes. Seguir Leo e Jacques deu a Cooper informações valiosas sobre a noite da morte de Laura, mas isso o desviou de duas das figuras centrais do sonho: Mike e BOB. Com a ajuda do gigante na segunda temporada, Cooper começa a voltar aos trilhos.
Com as pistas do Gigante, uma reavaliação de seu sonho, e outras ocorrências, Cooper começa a busca do terceiro homem, o assassino, que passou pela cabana da Log Lady na noite da morte de Laura. Estes elementos serão discutidos completamente no próximo artigo sobre o sonho de Cooper.

 

 

Enquanto a nova temporada não sai, vamos revisitar 10 termos (de vários) da série.

 

1. A ROSA AZUL

Os casos da “Rosa Azul” são estranhos e não resolvidos, tipo de como X-files. Enquanto o termo não é usado no programa de televisão,  ele aparece na prequel do filme, Twin Peaks: Fire Walk comigo: “Não foi só o agente Chester Desmond qude desapareceu”, diz Cooper a “Diane”,  mas este é um dos “Casos Rosa Azul de Gordon Cole”. Os casos da Rosa Azul podem ser assim nomeados porque, como as rosas azuis, são impares e antinatural.

 

2. BOB

BOB, também conhecido como Killer BOB, é um espírito maligno que possui pessoas e as transforma em maníacos homicidas. BOB tem um ex-parceiro chamado MIKE, também conhecido como o One-Armed Man. BOB e MIKE têm os mesmos nomes que os  adolescentes Bobby e Mike, embora a conexão pareça não ir além disso.

 

3. BOOKHOUSE BOYS

Os Bookhouse Boys são uma sociedade secreta do bem. Os membros incluem o xerife da cidade (entre outros membros), como Cooper  um membro honorário. O seu local de encontro, a Bookhouse – é bar  cheio de livros.

 

4. SACO DA MORTE

“Mike, você pode me ouvir?”, diz Killer BOB. “Irei te pegar … com meu saco da morte!”

Como com muitas coisas David Lynch, um saco de morte soa muito assustador, embora não está claro o que é. BOB poderia simplesmente estar falando metaforicamente, ou ele poderia estar se referindo a um saco com um corpo. (Um saco suicida, por sinal, o que é usado no suicídio assistido.) O saco de morte de BOB não deve ser confundido com o saco sorridente que o Gigante conta a Cooper, que se refere a um saco de corpo pendurado na parede
do hospital na forma de um sorriso.

 

5. DOPPELGANGER

Emprestado do alemão, a palavra doppelganger refere-se à aparição de uma pessoa viva, um gêmeo do mal, um gêmeo regular, ou um monstro que toma a forma de  alguém que está morto. Quando possuídos por Killer BOB, Leland e Cooper se tornam, de certa forma, seus próprios gêmeos malignos. Laura Palmer é o seu próprio doppelganger, vivendo uma vida dupla. Laura também tem a sua “sósia” : sua prima Maddy Ferguson, interpretada pela mesma atriz. Momentos antes de Maddy chegar, vemos os créditos de abertura de uma novela dentro da série,  Invitation of Love, as estrelas “Selena Swift” como os gêmeos,  Emerald e Jade.

 

6. GARMONBOZIA

“Where does creamed corn figure into the workings of the universe?”  “What really is creamed corn? Is it a symbol for something else?”

Quando Donna traz uma refeição do Meals on Wheels a uma senhora idosa, a senhora diz, “você vê o creme de  milho nesse prato? … Eu não pedi creme de milho”. Quando ela pergunta novamente se Donna vê o creme de milho, e o milho desaparece. O neto assustador da senhora idosa (interpretado pelo filho parecido com de  Lynch, um doppelganger em miniatura, se você já viu um) está segurando o milho, que desaparece novamente. No filme, Fire Walk With Me, o creme de milho é chamado garmonbozia, que é definido como dor e tristeza, e que Killer BOB, MIKE e outras entidades malignas precisam sobreviver. A origem da palavra garmonbozia não é clara; É provavelmente uma palavra sem sentido embora soe um pouco como o garbanzo, conhecido também como grão de bico.

 

7. LOG LADY

O Lady Log é a esquisitona-psicótica da cidade que carrega um tronco clarividente. Em Twin Peaks, a madeira parece ser um condutor de espíritos. A alma de Josie Packard fica presa na maçaneta da gaveta de madeira (sim, pois é) um anel é formado por 12 árvores de sicômoro que conduz à sala vermelha ao sonho de Cooper.

 

8. O HOMEM DE OUTRO LUGAR

Enquanto seu apelido é amplamente aceito, ninguém na série nunca parece realmente chamá-lo de Homem de Outro Lugar. Cooper o chama de “um anão de terno vermelho” e “o homenzinho”. Em Fire Walk With Me, “The Arm”, referindo-se ao braço que MIKE cortou. O ex-agente do FBI, Windom Earle, descreve “um lugar de grande bondade” (a Loja Branca / White Lodge) e também “outro lugar, seu oposto, de poder quase inimaginável, cheio de forças negras e segredos viciosos”. Este outro lugar é conhecido como o Black Lodge, a residência do homem pequeno.

 

9. MIKE

MIKE, o ex-parceiro do assassino BOB, cortou seu braço esquerdo para se livrar do toque do diabo simbolizado pela tatuagem “Fire Walk With Me”. Seu doppelganger é Phillip Michael Gerard, um vendedor de sapatos de um só braço com uma mala cheia de sapatos certos.  MIKE, através de Gerard, parece querer ajudar Cooper. Como MIKE, Gerard tem um melhor amigo chamado Bob, e enquanto este Bob não é o Killer BOB, ele indiretamente leva Cooper a um dos assassinos de Laura.

 

10. A SALA VERMELHA

Também conhecida como Sala de Espera, a Sala Vermelha é uma espécie de limbo entre as Black Lodge e White Lodge, e onde Cooper encontra o Homem de Outro Lugar, doppelgangers com olhos nebulosos, residentes Twin Peaks e outras figuras estranhas. Na Sala Vermelha, todos, exceto Cooper, se engajam em movimento inverso e reverso. Isto foi conseguido filmando os atores fando e se movendo para trás, e deixando o filme no reverso. O efeito é incrivelmente assustador. A palavra reversa não deve ser confundida com a fala inversa, uma pseudociência que afirma que as mensagens subconscientes podem ser encontradas na fala gravada das pessoas quando tocadas para trás. BOB, por sinal, é o mesmo para trás ou para a frente. Por que isso é assustador?  Não temos certeza, mas é.

Twin Peaks
[Arquivos e Memórias]
por Brad Dukes


Welcome to Twin Peaks
Population 51,201

Oito de abril de 1990, um dia comum que mudaria para sempre a tv mundial. E nos
tornaríamos eternamente gratos a Mark Frost e David Lynch. Nascia ali uma geração
que enxergava no insólito uma forma de abrigo. Um bebê tronco, personagens repletos
de toc e estranhos espíritos da floresta nos ajudariam a emoldurar uma estranha histó-
ria de amor entre pai e flha. Simbologias transbordavam da tela e se transformavam em
conversa de colégio, papo na calçada, discussões entre donas de casa no hortifrúti. Cada
um com um olhar próprio observava e compreendia
Twin Peaks ao seu modo. Uma
década antes de
The Sopranos, quase duas antes de Breaking Bad, uma série repleta de
camadas, subjetividade e transgressão envolvia a todos. Agora podemos voltar ao lugar
onde tudo começou, ainda que existam dúvidas sobre o que de fato aconteceu.

03
Twin Peaks [Arquivos e Memórias] é o primeiro título da Coleção Fora de Série, que, à
maneira da Coleção Dissecando (
O Massacre da Serra Elétrica; Evil Dead; Sexta-Feira
13
), vai revelar os bastidores das séries de tv que amamos. A obra chega às livrarias neste começo de 2017 em Limited Edition (capa dura), e reúne depoimentos dos criadores,
dos atores e de membros da equipe, além de fotos inéditas da produção e curiosidades
incríveis. Bem a tempo para revermos as duas primeiras temporadas e mergulharmos
no universo da série que retorna às telas em maio.
Em
Twin Peaks [Arquivos e Memórias], a verdadeira história oral da pacata cidade madeireira é escrita e pesquisada por um filho nativo. Brad Dukes investigou a fundo os
segredos daquele microuniverso surreal e corriqueiro, e promete esclarecer todas as
nossas dúvidas sobre Laura Palmer, Bob e o agente Cooper, entre outros. O livro traz
impressões inéditas e exclusivas do cocriador da série, Mark Frost, e de membros do
elenco, como Kyle MacLachlan, Joan Chen, Sherilyn Fenn, Piper Laurie, Michael Ontkean, Ray Wise e Billy Zane, entre muitos outros.

gifTwin Peaks chega à DarkSide®. Este, definitivamente, é um livro essencial. Ou, como
diria o agente Cooper, é um
damn fne book!
Brad Dukes mora em Nashville, Tennessee, com a esposa, Jessica, e seu poodle, Peggy. Assistiu
à temporada de estreia de
Twin Peaks quando tinha apenas 9 anos de idade, e passou muito
tempo com medo do que viu. Fã ardoroso da série, começou a entrevistar atores e membros
da equipe para gerar conteúdo no seu site braddstudios.com e, quando viu, tinha material para
iniciar um livro.
Twin Peaks [Arquivos e Memórias] é mais um exemplo de livro de fã para fãs,
da
DarkSide® Books.

“Tiremos o chapéu para Brad Dukes por reunir uma infinidade incrível de
informações e traduzir tudo isso na história verdadeira de Twin Peaks.
Confie em mim, há uma anedota ou um fato que você desconhecia sobre a série […]
em cada uma das páginas.
Twin Peaks [Arquivos e Memórias] é o livro que
eu não sabia que esperei 25 anos para ler, e adoro isso como Cooper ama torta!”
WELCOMETOTWINPEAKS.COM

unnamed
Ficha Técnica
Título | Twin Peaks [Arquivos e Memórias]
Autor | Brad Dukes
Tradutor | Carlos Primati
Editora | DarkSide®
Edição |
Idioma | Português
Especificações | 320 páginas, Limited Edition (Capa Dura)
Dimensões | 16 x 23 cm
ISBN | 978-85-66636-54-3 (Capa Dura)

SAVE THE DATE: 21.02

banner
darksidebooks.com | facebook.com/darksidebooks.com | vc@darksidebooks.com

Nesta quinta-feira (19/01) o ator Miguel Ferrer, que deu vida ao agente Albert Rosenfield, morreu de câncer aos 61 anos. Segundo o site da NBC o ator faleceu em sua casa em Los Angeles.

Além de sua participação em Twin Peaks, Ferrer trabalhou em séries de TV como ‘NCIS: Los Angeles’ e ‘Crossing Jordan’. Também emprestou sua voz para personagens das séries animadas ‘American Dad’, ‘O Espetacular Homem-Aranha’ e ‘Hora de Aventura’, além de ter sido confirmado recentemente para o novo filme de ‘Jovens Titãs’.

Entre seus papéis nas telas de cinema, Miguel Ferrer interpretou o vilão do filme RoboCop (1987) e apareceu como Vice-Presidente em Homem de Ferro 3 (2013).

Em Twin Peaks iremos ver Ferrer mais uma vez como o agente do FBI Albert Rosenfield na nova temporada que irá estrear em maio deste ano.

R.I.P Miguel Ferrer
07/02/1955 – 19/01/2017