Acompanhe o TPBR nas redes sociais

The Washington Times publicou essa semana uma entrevista com Sherilyn Fenn, nossa querida e espevitada Audrey Horne. Aos 51 anos, Sherilyn fala sobre relação com fãs, David Lynch, Twin Peaks e Meditação Transcendental. Confira abaixo a tradução que o Igor Leoni fez do bate-papo:

WT – Qual é a coisa mais comum que os fãs falam ao te conhecer?

SF – Eu tinha uma queda por você. Ou “sabia que você era a minha crush?”.

WT – Qual é a reação dos fãs ao te conhecer ao vivo nessas convenções?

SF – Como participei de vários seriados, fiquei surpresa com a quantidade de lembranças trazidas pelo contato com fãs. Conversar com fãs sempre me deixa embasbacada. Fico muito feliz ao saber que meu trabalho tocou tantas pessoas. Mesmo que seu trabalho toque apenas uma pessoa, já considero um dom maravilhoso. Algumas pessoas chegam com análises profundas. Essas pessoas entendem o que eu estava fazendo, o que eu estava tentando passar. Pra mim, atuar é fingir. E isso sempre iluminou minha luta como ser humano, que é tentar crescer e estar segura o suficiente para ser filmada, enquanto eu tento entender as coisas ao meu redor.

WT – É mais difícil encontrar trabalho como atriz aos 51?

SF – Com certeza. É um meio difícil. Tenho 51 anos, então não existem tantos papéis disponíveis. Mas pra ser sincera, eu sempre fui bastante exigente. Mesmo depois que muitas portas se abriram por causa de “Twin Peaks”, eu não quis seguir caminho por elas. E agora eu me sinto muito mais aberta à vida. Eu tenho dois filhos. Minha vida não é dependente da minha carreira. Estou sempre ansiosa à espera do que a vida vai me trazer.

WT – Fale um pouco sobre seu livro. 

SF – Eu acabei de publicar um livro infantil chamado “No Man’s Land” (Terra de Nenhum Homem, em tradução literal), que é baseado no meu filho. Meu filho mais novo possui transtorno do espectro do autismo, e o livro é uma linda história. A vida é uma coisa muito bonita.

WT – Ao se tornar mãe, sua escolha para papeis mudou?

SF – Me tornar mãe para mim foi algo como “Meu Deus, era isso o que eu estava procurando a minha vida toda”. Me trouxe um sentido de realização. Eu nunca imaginei que poderia amar com tanta intensidade. É muito bom não me preocupar mais comigo mesma. Agora eu só me preocupo com meus filhos. Quanto a escolher papeis, acho que minhas escolhas são sempre baseadas em “se eu fizer esse filme, por quanto tempo ficarei ausente?”. O maior dom que posso passar para meus filhos é que eu seja honesta e verdadeira comigo mesma como artista, e que eu coloque isso pra fora da melhor maneira que minha habilidade permita.

WT – “Twin Peaks” foi um grande sucesso, foi difícil para as pessoas te enxergarem como algo além da “garota de Twin Peaks”? 

SF – Pois é, tenho 51 anos e ainda escuto coisas desse tipo. Eu penso comigo mesma “você nunca me conheceu, nunca conversou comigo, não sabe quem sou eu, aquela era uma personagem”. Eu tinha vinte e poucos anos quando fiz aquilo. É meio bobo. Mas não se engane, ao mesmo tempo é um dom maravilhoso. As pessoas dizem que foi “icônico”. Eu nem sei o que isso significa. Isso está além da minha falta de entendimento de valor como pessoa (risos). Estou sendo totalmente honesta.

WT – Como você conseguiu o papel?

SF – Eu não sei. Ele (David) viu algo em mim. Nós conversamos por 15 minutos e ele escreveu uma personagem para mim. Eu não sei. Ele é maravilhoso.

WT – Sabemos que você está participando da nova temporada de “Twin Peaks”. Pode nos adiantar algo do que podemos esperar? 

SF – Nós nos divertimos muito nas filmagens. David escreveu e dirigiu 18 episódios.

WT – Então a qualidade da nova série está no nível da série original?

SF – É claro, David dirigiu! Ele é uma pessoa tão profunda. A conexão espiritual que ele tem é incrível. Ele fez todos nós praticarmos meditação transcendental no set. Eu acho que a nova temporada será talvez um de seus melhores trabalhos, pelo menos assim espero. A beleza de envelhecer é que nós crescemos, aprendemos. Nós acumulamos conhecimento. E por mais que lugares como Hollywood, que só glorificam juventude, nos digam que isso não é nada, eles estão errados.

WT – Você está começando a praticar meditação transcendental? 

SF – Já faz dois anos que comecei. Um dia fui encontrar David. Estávamos bebendo café e eu estava falando como várias coisas estavam erradas, e ele disse “Sherilyn Fenn, você está toda errada! Você precisa de MT!”. Ele me apresentou um professor maravilhoso. Mudou a minha vida.

WT – Quais são seus próximos planos?

SF – Estou escrevendo minhas memórias. E o que o futuro reserva pra mim eu não sei. Estou entregue, aberta e sempre atenta. Acho que esse é um bom lugar para se estar, o único lugar para se estar.

 

Fonte: The Washington Post 

 

Comentar via Facebook

Comentário(s)

COMENTÁRIOS

Não existem comentários

DEIXE SEU COMENTÁRIO