Acompanhe o TPBR nas redes sociais

DIANE EVANS

3

As cenas da Diane estão fora de ordem. Na última parte do episódio 11, quando ela estava em Buckhorn e lia as coordenadas, ela estava usando uma blusa verde, a mesma que usou na cena do bar no episódio 12, quando pesquisou as coordenadas em seu celular. Quando saiu pelas cortinas vermelhas, ela usava uma blusa vermelha.

Quando Diane diz “Coordenadas+2”, ela está lembrando os números que estavam no braço de Ruth, a bibliotecária, atribuindo cada letra na palavra “coordenates” (coordenadas) a um número. Ela precisava adicionar mais dois (2) números para dar o total de 13.

Ao dizer a frase “Let’s Rock” parece estar implicando em conexões com Black Lodge/doppelganger. Uma vez que a frase foi dita pelo Anão e estava escrita no carro de Chester Desmond (que desapareceu após encontrar o Anel da coruja debaixo do trailer de Teresa Banks). Quando ela diz a frase, seus dedos imitam um gesto muito parecido com de Laura Palmer na Sala de Espera. Se Diane for uma Doppelganger, pensando por esse lado, ela tem cabelos brancos igual Leland. Ela viu o Woodsman, e a sua perspectiva era de forma ao contrário. Sabemos que badCooper a visitou por um tempo, e somente quem tem o dom ou os amaldiçoados podem ver espíritos/demônios. Talvez Diane começou a procurar pelo goodCooper sozinha e acabou como doppelganger. Há também uma possibilidade, após o episódio 12, de que Diane esteja sobre influência do Anão, uma vez que a frase “Let’s Rock” foi dita por ele, e também estava escrita no carro.

Acredito que suas mensagens de texto estejam direcionadas para Phillip Jeffries, uma vez que o personagem já está bastante presente na série e tem mantido contato com Ray. Só porque ela aparenta ter uma agenda dupla não significa que é má ou enganadora.

 

FBI

4

Albert e Gordon convidam Tammy Preston para participar da força-tarefa Blue Rose, os dois Agentes explicam brevemente do que se trata e brindam a nova Agente ao grupo. O local escolhido para toda cena: cortinas vermelhas. Os casos Blue Rose são classificados “sobrenaturais” por não existir de forma natural, a rosa azul. No filme Fire Walk With Me, vimos a Lil, uma mulher de aparência excêntrica que realizou ações codificadas, como um método do FBI elaborado por Gordon Cole, para rapidamente e secretamente informar ao agente especial Chester Desmond sobre o que esperar durante uma investigação sobre a morte de Teresa Banks. Uma especulação é de que a Francesa que estava fazendo companhia a Gordon, talvez seja a nova Lil.

 

OS CÓDIGOS DE LIL EM FIRE WALK WITH ME

Sem título

– Ela fazia uma careta, o que significa que Desmond teria problemas com as autoridades locais; Eles não seriam receptivos ao FBI.
– Ambos os olhos estavam piscando, o que significava que haveria problemas maiores.
– Ela tinha uma mão no bolso, o que significa que as autoridades locais estavam escondendo algo.
– Mão em formato de punho/mão escondida, indicando que as autoridades locais provavelmente seriam agressivas.
– Ela está caminhando no lugar, o que significa que haveria muito trabalho na investigação.
– Cole afirmou que Lil era sua “mother’s sister’s girl”. Faltava naquela frase a palavra “tio”; Quando Gordon Cole disse isso, colocou quatro dedos na frente de seus olhos, reproduzindo barras de prisão. Isso sugeriu que o tio do Xerife estava na prisão.
– Seu vestido tinha sido feito sob medida (com fios de cores diferentes) para caber em Lil, sendo este um código para drogas envolvidas com a investigação.
– Uma rosa azul estava presa ao vestido.

Na Francesa, em vez de cabelo vermelho e uma careta, mão escondida/em formato de punho, ela tem cabelo escuro, um grande sorriso e mãos abertas. Nenhum problema com as autoridades locais (que seriam talvez, Xerife Truman ou Irmãos Fusco). Seu vestido sob medida significa drogas.

Para recapitular, “Blue Rose” foi a designação ou palavra-chave para alguns casos do FBI sob a liderança de Gordon Cole após o encerramento oficial do Projeto Blue Book. Os casos em si eram aqueles que Project Blue Book não conseguia resolver e o termo foi cunhado por uma biografia de uma mulher antes de morrer. Cole sugeriu que o agente Phillip Jeffries dirigisse uma força-tarefa dedicada a esses casos, que também incluíam os agentes Chester Desmond, Dale Cooper e Albert Rosenfield (é possível que Albert tenha sido convidado após o assassinato de Laura Palmer)

O Projeto Blue Book foi uma investigação da Força Aérea dos Estados Unidos sobre a existência de OVNIs e se eles eram uma ameaça à segurança nacional, originalmente iniciado em 1952. O tenente-coronel Douglas Milford fazia parte do projeto na década de 1960.

O agente especial do FBI, Windom Earle, esteve envolvido no Project Blue Book por um tempo até sua demissão depois de se tornar obsessivo e violento com suas atribuições enquanto procurava um lugar chamado Black Lodge. O personagem não foi mencionado por Albert e Cole. Apesar de ser oficialmente dissolvido em 1969, o projeto continuou a atividade até 1989, com o Major Garland Briggs à procura de um lugar chamado White Lodge. Após a sua dissolução oficial, uma força-tarefa “Blue Rose” foi criada no FBI para investigar casos em que o Livro Azul não poderia fornecer respostas adequadas para isso.

Obs: Essa foi a terceira menção sobre “Blue Rose” na série. Primeiro foi Major Briggs, na Mauze Zone (Purple Room) e depois foi Albert e Gordon Cole, após o interrogatório de badCooper, assim que ele foi preso.

 

SARAH PALMER

2

As carnes defumadas fizeram com que, de alguma maneira, Sarah lembrasse dos Woodsmen (detalhe para a cena das escadas na Loja de Conveniência, que tem ligação com o quadro que Laura Palmer recebeu da Sra. Tremond/Chanfont, visto que parte do papel de parede ficou visível). Na cena em que ela está no mercado, Sarah fala sobre os “homens” que estão vindo, provavelmente, os Woodsmen.

Ela sempre foi sensível à presença de BOB e ao sobrenatural, e parece estar bebendo para afogar essa sensibilidade com o maligno. Há uma possibilidade de Sarah estar sobre influência de BOB, já que toda sua família foi marcada pelo mesmo. Um detalhe é que o ventilador de teto estava ligado (que era indício nas cenas de quando ele iria aparecer para Laura ou se manifestar).

A conversa de Hawk com Sarah parecia estar em códigos. É como se Hawk soubesse que algo de errado estivesse acontecendo. Logo (Sarah deixa específico que era não era “alguém” e sim “algo”) há uma possibilidade de ser o rapaz do mercado que iria levar suas compras, mas pela forma que Sarah estava, já podemos deduzir o que pode ter acontecido caso esse rapaz tenha ido pra lá, ou poderia ser a manifestação de outra coisa sobrenatural.

 

AUDREY HORNE

1

Na superfície entendemos que Audrey se casou com um homem que podia manipular enquanto via Billy. Billy era dono do caminhão que Richard roubou, para esconder evidências. Richard matou Billy e depois Chuck, o homem com quem Andy conversou e não apareceu depois. É possível que Audrey venha descobrir esses eventos depois que seu marido, Charlie, fez a ligação para Tina, que aparentemente contou para ele tudo o que aconteceu, pois Richard está foragido.

A sequência das cenas de Audrey com o seu marido e Ben com o Xerife Frank

1) Audrey é a mãe. Richard chama Sylvia (mãe de Audrey e Jhonny) de “avó” de modo que Donna, ou alguma
outra mulher do One Eyed Jacks já imposta deva ser descartada. O Xerife Frank foi até Ben porque ele queria que pagasse pela operação de Miriam. Audrey provavelmente se afastou tanto de Ben como de seu filho (e talvez da maioria da população de Twin Peaks). Sua situação é complicada já que ela é “casada” com um homem sob um contrato e, reconhecidamente dorme com “Billy” que agora está desaparecido (ou até mesmo morto).

Se Richard fosse filho de Audrey, o Xerife Frank não falaria diretamente com ela (o parente vivo mais direto)? Não seria esse o procedimento mais adequado para um Xerife? O fato de que o Xerife falou para Ben não significa que o mesmo (como avô) é o parente mais próximo? Ben disse: “Richard nunca teve um pai…” mas ele não disse nada sobre ele não ter uma mãe. Richard não atacou Audrey exigindo dinheiro, ele atacou Sylvia. Talvez Audrey não tenha dinheiro, no entanto, Charlie parece ser o tipo de pessoa que provavelmente não é pobre. Talvez Richard e Audrey sejam filho e mãe distanciados.

2) É possível que Richard seja filho de Donna e a família Hayward tenha rejeitado seu filho, após a revelação de que Ben é o pai real de Donna no final da 2a temporada. Ben e Sylvia se tornaram os guardiões de Richard depois que “algo” aconteceu com Donna (provavelmente há muitos anos) e talvez seja por isso que Gersten Hayward (irmã da Donna, vista com Steven, marido de Becky) esteja na série… para explicar o que aconteceu com a família Hayward.

Acredita-se que toda a cena da Audrey é apenas um sonho (visto que ela própria menciona que teve um sonho com Billy) e que ela ainda está em coma e que não está perto de acordar. Isso explica porque o Xerife Frank falou com Ben sobre Richard, ou que Audrey está com dificuldades mentais, após os traumas, e o seu marido é na verdade seu psiquiatra.

Ficou claro em alguns episódios anteriores que badCooper visitou Audrey (Dr. Hayward menciona no ep 7 que ele esteve na UTI. Essa foi também a única cena em que Audrey foi mencionada e que seu estado de coma ficou explícito. Não é dito se ela por fim acordou ou não. O Doutor apenas diz que ela entrou em coma após a explosão do banco.) enquanto ela estava em coma e que o mesmo possa ter agredido Audrey, e ela tenha engravidado de Richard. Há também uma hipótese de que o pai de Richard seja John Justice Wheeler. Uma vez que badCooper poderia estar no hospital atrás do anel da coruja, visto que Annie ainda poderia estar internada.

Uma interpretação sobre o diálogo entre Audrey e Charlie

Charlie está mantendo Audrey no quarto, bloqueando a saída e recusando-se a sair com ela, alegando que tem um prazo para entregar um trabalho e que também está muito escuro lá fora. Ele também recusa-se a dar suas respostas. O significado do nome Charlie é “homem livre”, o que contrasta com Audrey, que, aparentemente não é uma mulher livre e está vinculada a ele por algum “contrato”. Há muita conversa sobre sono. “Fique aqui e durma” / “Já está tarde e estou com sono. Tenho mais trabalho a fazer antes de eu ir dormir” / “Vi Billy em um sonho na noite passada” / “Estou com tanto sono, mas vou”.

Talvez Audrey realmente esteja em coma (o cansaço/o sono/os sonhos) e algo (Charlie) está impedindo-a de acordar. Talvez ela o inventou em sua mente (“Eu pedi sua companhia, sua proteção”) mas agora ela quer acordar (quebrar o contrato), mas não sabe como.

O marido é um aspecto da personalidade da Audrey, assim como os personagens de Inland Empire são aspectos do personagem principal. Ele (ou ela) está bloqueando Audrey de seus desejos ou talvez tentando orientá-la para a salvação (os dois não são mutuamente exclusivos). Os dois estão para sair, mas ele está bloqueando a saída muitas vezes durante a cena, e o impulso começa a levar Audrey em sua jornada, mas o progresso nunca é feito.

Charlie está muito cansado e repete isso várias vezes, e que está muito escuro lá fora (pois é Lua nova) e que há quilômetros de floresta. Ele parece não saber o que Audrey quer durante toda a conversa, e ela repete isso a todo instante. Ele diz que não possui uma bola de cristal, dizendo a frase em direção a bola de cristal que tem em sua mesa.

Obs: O personagem Trick, no final do episódio no bar Roadhouse, diz que alguém quase o tirou da estrada. Seria badCooper? Será que no próximo episódio o veremos passar pela placa de “Welcome to Twin Peaks” e mudará sua aparência para combinar com o “bom” Cooper?

Outras teorias: A caixa de vidro | Episódio 5 | Episódio 8

Comentar via Facebook

Comentário(s)

COMENTÁRIOS

Não existem comentários

DEIXE SEU COMENTÁRIO